Matéria da Revista Cabeleireiros.com - Edição 24

ImprimirAssistentes - Parceria de Sucesso

Avalie: 12345

Na função de assistente, muitos encontram o caminho certo para trilhar uma brilhante carreira profissional

Assim como o cirurgião não vive sem o instrumentador e o chef de cozinha tem sempre ao seu lado o ajudante, os grandes hairstylists contam com a dedicação total de seus assistentes. Muitos dos renomados profissionais de hoje, inclusive, um dia começaram como ajudantes, aprendendo toda a rotina de um salão de beleza. Foi o caso de Ricardo Moreno, proprietário do RM Trends, no Rio de Janeiro. “Comecei varrendo um salão na Tijuca, onde trabalhava depois da escola. Lá conheci diversos profissionais e me apaixonei pela profissão”, afirma Moreno que aprendeu a profissão de cabeleireiro olhando, observando e seguindo orientações dos profissionais mais experientes.

Suas assistentes são Luzia Corrêa da Silva, com ele há um ano, e Lucia Alves, com quem já trabalhou há mais de dez anos e agora está de volta ao salão. Para selecioná-las, Ricardo fez testes práticos para conhecer suas qualificações e, ambas com bom-humor e disposição, foram contratadas. Para Ricardo, a assessoria das assistentes garante o trabalho ágil e de qualidade. “A sintonia com o assistente deve ser grande, a ponto de ele ser capaz de perceber as necessidades apenas pela troca de olhares”, comenta. Para crescer dentro do salão, Ricardo recomenda que o assistente não pode parar de estudar e participar de cursos profissionalizantes “Saber o que está na moda garante um lugar especial ao sol”, finaliza.

Em Brasília, quando o assunto é beleza, todos conhecem Hélio Nakanishi. Com ele, trabalham cerca de 350 colaboradores, alguns em parceria há 25 anos. A escolha para se tornar um „Profissional em Formação, como são denominados os assistentes, vem através do recrutamento e seleção da equipe de Recursos Humanos e, algumas vezes, através do próprio Helio. “Tem que haver empatia, uma energia gostosa para trabalhar”. Para Helio Nakanishi, os profissionais em formação são de suma importância para o desenvolvimento da categoria. “Os jovens que nos procuram estão cada vez mais antenados com o mundo. Eles nos trazem a linguagem dos movimentos das ruas, as tendências que ainda estão por vir. Existe uma troca saudável”.

Hélio compara a relação de profissional e assistente com a função do maestro de uma orquestra. “Os assistentes são como músicos de uma grande orquestra. E os cabeleireiros, os maestros que precisam assegurar que a apresentação seja sempre afinada”, afirma.

No UM..., em São Paulo, a assistente Lucelia Aparecida dos Santos já está na casa há cinco anos. Após o curso profissionalizante e ter trabalhado em alguns salões, foi indicada por uma amiga. Na seleção, disputou a vaga com outras nove assitentes. Lucelia ganhou o emprego porque impressionou pela aparência e desenvoltura. „Sem ela, perco o chão“, afirma a cabeleireira Helena Antunes. Pra garantir a constante qualidade, Helena tem o cuidado de realizar, no dia-a-dia, reuniões para tirar dúvidas e apresentar novos trabalhos. „Lucelia tem como suas responsabilidades receber a cliente, lavar seus cabelos, hidratá-los, além de oferecer revistas, café, água e os serviços de outros profissionais. Helena afirma que „Para o profissional, a presença do assistente e sua dedicação tornam os serviços mais rápidos, práticos e confortáveis“.

No Soho do bairro de Perdizes, em São Paulo, a assistente Isis Tavares Gonçalves começou a trabalhar na rede como recepcionista, onde conheceu Neto Paulelli, seu atual „professor-cabeleireiro“. „Quando me interessei pela profissão de cabeleireiro, estava no segundo ano de Administração, então larguei a faculdade e comecei a fazer a Academia do SOHO. Falei com o Neto e ele adorou a idéia, logo me promovendo a sua assistente“. Para Neto, a presença do assistente é fundamental. „Hoje eu tenho uma equipe muito boa, de seis assistentes. Sem essa equipe, com certeza o meu trabalho não seria o mesmo“.

No Soho os profissionais passam por estágios onde aprendem como cortar o cabelo, escovar, realizar processos de coloração, entre outros. Entre as atribuições do assistente, Isis cita a forma de atendimento ao cliente: „Precisamos encantá-los. Cuidamos deles desde o momento em que entram no salão. A minha função também é facilitar o cotidiano do Neto, ajudando-o no que precisar, garante.

Em Porto Alegre, o cabeleireiro Sérgio Luis de Oliveira tem a seu lado o assistente Rodrigo Souza. Os dois trabalham juntos há pouco mais de quatro anos. „O Rodrigo entrou no Hugo Beauty para trabalhar comigo através da indicação de outro assitente que já trabalhava na casa. Foi entrevistado e escolhido por ter um perfil de acordo com as minhas exigências: é educado, simpático, tem boa aparência e principalmente pela vontade de aprender e querer o cargo“, conta Sérgio, para quem a presença do assistente é fundamental, pois o primeiro contato com a cliente é ele quem faz. No salão, o treinamento é dado pelo próprio cabeleireiro. Além de aprender a recepcionar o cliente, lavar seus cabelos e penteá-los, também recebe orientação sobre como se comunicar, ser gentil e se esforçar para mostrar sua capacidade profissional.

Segundo Sérgio, para crescer na carreira de cabeleireiro, „ o assistente deve ter interesse em aprender, crescer e, acima de tudo, gostar da arte de embelezar as mulheres e ter amor à profissão“, resume.

Também no Sul, em Curitiba, Kaio Murilo trabalha há dois anos como assistente. “Comecei na área por incentivo da minha mãe, que é cabeleireira. E foi através da indicação de um profissional do VIMAX que entrei no salão, onde ocupo o cargo de assistente-sênior, auxiliando todos os profissionais da casa”. No dia-a-dia, Kaio conta que é ele quem recebe o cliente e o encaminha até o profissional. „Se estiver ocupado, ele me passa as coordenadas para eu dar início ao atedimento“, explica.

Viktor I, proprietário do salão, explica que, no Vimax, os aprendizes seguem uma hierarquia. „São assistentes da casa e não somente de um hairstylist. Iniciam como Júnior, fase em que cuidam da organização do salão, lavam os cabelos e aprendem sobre diagnóstico capilar e sobre os produtos utilizados. Depois, passam a Pleno, quando lavam, fazem escova e estão mais próximos dos profissionais para aprender as técnicas. E, como Sênior, além da lavagem, já sabem praticamente elaborar os principais serviços. Ao atingir esse nível, o próximo passo é se tornar um cabeleireiro profissional“, explica.

1 Comentário:

  1. Foto: Adriana
    Adriana: 14/08/2009 às 15:25
    Ótima matéria! Estou precisando trabalhar. Tenho curso e preciso por em prática o que aprendi. Se alguém estiver precisando, por favor entre em contato no meu email: adriananome@itelefonica.com.br ou 58423741. Obrigada


Buscar

Notícias

Newsletter

Assine e receba as novidades da revista em primeira mão.



Publicidade


Revista Cabeleireiros.com

Login Cadastre-se