Matéria da Revista Cabeleireiros.com - Edição 29

ImprimirBeleza e saúde: uma parceria perfeita

Avalie: 12345

Aromaterapia nos salões (2)A aromaterapia, ciência respeitada há tempos na Europa, chega ao Brasil e é aplicada pelos melhores salões de beleza e spas

texto: Ana Carolina Prado
fotos: Moisés Moraes e divulgação

O ser humano sempre precisou dos cinco sentidos (olfato, tato, visão, audição e paladar) para viver. Nos tempos primitivos, em que era quadrúpede, o olfato era o caminho para a procriação e para a sobrevivência. “Através do aroma, o cérebro sabia em poucos segundos se era preciso correr ou parar”, explica Sâmia Maluf, psicóloga e consultora de aromaterapia para spas e salões de beleza. Quando os humanos se tornaram bípedes, o olfato perdeu espaço para a visão. 

Com o corre-corre diário, as pessoas são submetidas a estímulos externos em demasia, que acarretam uma síndrome geral de adaptação. E o organismo reage a esse excesso de informações: o coração bate mais rápido, há uma dilatação das pupilas e pode ocorrer queda capilar, insônia e “buracos” no couro cabeludo. 

Se, como primitivos, fugíamos desse “caos”, atualmente ficamos sentados à mesa de trabalho. Para escapar dessa rotina, muitas pessoas passam a cuidar do corpo e da mente. Os salões de beleza e os spas utilizam os benefícios da aromaterapia para auxiliar nessa tarefa. 

Essa ciência – que pode ser aplicada, como protagonista, em sessões estéticas no rosto e no corpo, ou como coadjuvante, em ambientes – permite ao cliente sair renovado e com a mente descansada. Tudo isso por causa do efeito dos aromas escolhidos. “Para usar as essências, é necessário fazer um diagnóstico para detectar qual é a situação que a pessoa enfrenta, como se alimenta e o que incomoda”, diz Sâmia Maluf. 

A aromaterapia é reconhecida como ciência na Europa e Ásia, mas ainda é vista como uma terapia secundária no Brasil. Isso ocorre pela confusão entre os conceitos de aromaterapia e aromacologia: a primeira tem efeito terapêutico e usa óleos e essências. Já a outra é bastante usada por quem trabalha com marketing, pois estuda que lembranças uma essência sintética pode despertar.

O uso nos salões

Aromaterapia nos salões (3)“Ensino os cabeleireiros a mexerem com os sentidos dos clientes por meio da aromaterapia. Ao usar essências de laranja ou tangerina nos tratamentos, eles oferecem relaxamento e energia”, explica Sâmia Maluf. A profissional diz que os óleos cítricos são os mais indicados para borrifar nos salões; pois, além de energizantes, ajudam a eliminar as toxinas do corpo, apenas com o uso do sentido olfativo. Ela sugere que sejam servidos chás, que podem agir como antidepressivos ou energéticos dependendo do sabor. 

Durante a lavagem, ao realizar uma massagem nos cabelos do cliente, o cabeleireiro pode misturar ao xampu um óleo essencial de tangerina. Essa combinação dá mais brilho e hidratação. Nesse processo, vale lembrar que uma gota de óleo essencial equivale a 30 xícaras de chá da fruta ou da planta. 

Realizando esses procedimentos, o salão vai proporcionar aos clientes os serviços de beleza e terapia, pois tanto com a ação do olfato quanto com o óleo agindo no couro cabeludo, o organismo estará captando dermatologicamente e psicologicamente os benefícios das essências. Para que não sobrem dúvidas quanto a isso, Sâmia Maluf propõe um teste simples: corte um alho e raspe na sola de um dos pés. Segundo ela, depois de 17 minutos, o hálito terá o odor de alho.

Nos spas e salões, realizar uma espécie de ritual que envolva os cinco sentidos melhora o serviço prestado e o bem-estar dos profissionais que trabalham no local. Assim, a clientela não pensaria duas vezes antes de voltar às mãos da mesma equipe. 

Mas o uso de aromas em salões não é uma unanimidade entre os profissionais do setor. Esmeralda Torres, coordenadora do centro técnico da Mary Cohr, rede especializada em tratamentos que envolvem aromaterapia, acredita que os serviços devem ser feitos em uma cabine. Dessa forma, cada cliente tem seu espaço reservado e óleos especiais indicados para sua pele. 

Para esse procedimento, ela sugere óleos essenciais com micromoléculas solúveis em álcool e gordura, que penetram nos poros e atingem a microcirculação, funcionando como agentes terapêuticos, antiinflamatórios e bactericidas

Galeria de fotos:

  • Sâmia Maluf
  • Aromaterapia nos salões (2)
  • Aromaterapia nos salões (3)
  • Esmeralda Torres

Deixe um comentário:



Buscar

Notícias

Newsletter

Assine e receba as novidades da revista em primeira mão.



Publicidade


Revista Cabeleireiros.com

Login Cadastre-se