Matéria da Revista Cabeleireiros.com - Edição 40

ImprimirCabelos étnicos

Avalie: 12345

Cabelos e etnias (3)A palavra de ordem do início do século 21 é miscigenação. E valorizar a naturalidade de cada tipo de cabelo é um diferencial

Compreender a estrutura capilar é o primeiro passo para obter bons resultados nos cabelos dos clientes. É importante conhecer as particularidades de cada tipo de fio e do couro cabeludo, que são verdadeiros chamarizes da origem étnica e de como está a saúde da pessoa. Hoje, a moda étnica está em alta e, segundo a assessora de estilo Michèle Neyret, ela é caracterizada por referências típicas de um país ou uma região que concedem identidade ao look. Quando o assunto é cabelo, a ideia é a mesma, ou seja, resgatar uma peculiaridade de determinada raça para compor o visual.

Para explorar melhor essas características, dividimos os cabelos em quatro grandes grupos e convidamos a historiadora Ana Carlota Vita e alguns cabeleireiros para traçar um panorama sobre os fios seguindo os hábitos culturais e as técnicas capilares adotadas.

Cabelos e etnias (1)Afros
Originalmente, os estilos dos cabelos e das roupas afros estão relacionados às tribos ou ao status individual. Na África, até hoje algumas aldeias mantêm microtranças, cabeças raspadas e penteados feitos à base de lama vermelha.

Quando se trata dos negros norte-americanos, o início do século passado marcou a busca por métodos alisantes. “Em 1914, Madam C. J. Walker criou um processo de relaxamento para cabelos crespos que foi um sucesso entre as negras americanas”, afirma a historiadora Ana Carlota. Já no final da década de 1960, a sociedade se opôs aos conceitos estabelecidos e a cabeleira aderiu ao movimento black power. Os cabelos, então, voltaram com volume natural.

Hoje, há uma mistura disso tudo: algumas pessoas optam pelos fios naturais, outras investem
nos trançados e ainda há as que preferem a intervenção química. Apesar de preferir a manutenção
da estrutura original dos cabelos, a cabeleireira Negra Jhô aponta que o importante é sentir-se bem. Por isso, transformações químicas não devem destoar do estilo pessoal e precisam ser feitas por um profissional que entenda do assunto.

Confira também:

Tranças afro - Aprenda a fazer tranças afro

Deixe um comentário:



Buscar

Notícias

Newsletter

Assine e receba as novidades da revista em primeira mão.



Publicidade


Revista Cabeleireiros.com

Login Cadastre-se