Matéria da Revista Cabeleireiros.com - Edição 50

ImprimirCorrida contra o tempo

Avalie: 12345

especial_idade (1)A idade deixa suas marcas na pele e nos cabelos. Mas os avanços da tecnologia e alguns cuidados essenciais podem desacelerar esse processo natural

texto: Renata Vieira | fotos: divulgação

O passar dos anos não afeta apenas as características do rosto e do corpo. Fios mais ralos, ressecamento, perda de textura, quebra, queda e canície (nome oficial do popular cabelo branco) são alguns sinais claros de envelhecimento capilar. Há tempos, os cientistas sabem disso, mas entender a ligação dessas alterações com fatores ambientais e biológicos é a chave para se chegar à raiz do problema.

Como exemplo dessa preocupação por parte da indústria cosmética, pode-se citar um estudo da Procter & Gamble que procura compreender a relação das mudanças no cabelo feminino com o passar do tempo. Durante oito anos, foram traçadas as propriedades da fibra capilar em mais de 140 mulheres. Os resultados mostram que as fibras vão apresentando significativas transformações no diâmetro e na cor.

Como o cabelo não é capaz de se regenerar sozinho, o segredo de madeixas saudáveis é a manutenção desde a estrutura molecular, já que as proteínas são as maiores estruturas na composição dos fios. Elas são fundamentais na qualidade e no toque da fibra.

Pesquisas desse porte identificam novos passos para o desenvolvimento de produtos que mantenham e protejam a estrutura proteica, prevenindo danos aos fios.

Como os fios envelhecem?
“Com o passar dos anos, a taxa hormonal diminui e os fios ficam ralos e perdem a textura”, conta Maria Neves de Souza, técnica da Amend. A cor desaparece porque os melanócitos param de produzirHelen Mirren melanina, responsável pela pigmentação. Além disso, as glândulas sebáceas já não produzem a mesma quantidade de óleo necessária para lubrificar os fios, deixando-os ressecados.

A origem desse processo de envelhecimento não está apenas em questões biológicas. Agentes externos agressores, como exposição solar e ao cloro, tabagismo, poluição e tratamentos químicos exagerados têm uma grande parcela da culpa.

“A dica para as adeptas ao alisamento é respeitar o prazo mínimo de retoque de raiz, que é de três meses, e investir na hidratação”, afirma Maria Neves. Já quem gosta de fios loiros pode aproveitar a moda da raiz escura. “Geralmente, o retoque para manter a raiz na cor do comprimento é feito a cada 15 dias. Dar um prazo maior protege a integridade do fio e do couro cabeludo, evitando o envelhecimento precoce”, ressalta.

Determinadas patologias podem acelerar o processo de envelhecimento, como a calvície precoce, mais comum em homens. Fatores genéticos e constitucionais também devem ser considerados: indivíduos de pele branca, por exemplo, possuem os cabelos mais precocemente envelhecidos que do os negros.

Sete passos do cabelo jovem
Segundo a dermatologista Daniele Murga, existem sete cuidados para manter a beleza dos fios por mais alguns anos:
1) Proteja-se do sol. Os raios ultravioleta reduzem a elasticidade dos fios, ressecando-os com facilidade. Portanto, a dica é pedir que os clientes evitem a exposição exagerada ao sol e usem cosméticos capilares com proteção solar;

2) Indique os tratamentos do salão. Por melhor que seja o tratamento, o efeito desejado só será alcançado quando realizado por profissionais capacitados. Até a simples hidratação, que pode ser feita em casa, quando conduzida por alguém qualificado, resulta em mais brilho e maleabilidade;

3) Evite químicas. A coloração dos fios somente deve ser feita quando houver a real necessidade. Químicas em excesso podem desencadear caspa, descamação, feridas e coceiras.

4) Reduza o estresse. Esse é um dos agentes causadores da queda capilar. Praticar exercícios físicos regularmente faz o organismo liberar endorfinas e amenizar o problema;

5) Dispense o álcool e o fumo. Eles aumentam a produção de radicais livres no organismo, que causam mutações nas células e em alguns tecidos do couro cabeludo. Assim, a raiz fica mais sujeita a inflamações, o que prejudica o crescimento dos cabelos e provoca quedas;

6) Fique atento(a) à alimentação. Sugira uma alimentação rica em aminoácidos, vitaminas e minerais, além da ingestão de dois a três litros de água por dia. Alguns nutrientes específicos, como os minerais, vitaminas (E, C e do complexo B), proteínas e grão integrais funcionam como verdadeiros cosméticos;

7) Procure acompanhamento médico. Recomenda-se procurar um dermatologista que poderá prescrever medicamentos e avaliar a deficiência de alguns oligoelementos muitas vezes envolvidos em diversas patologias do couro cabeludo. Os principais são:
a) Cálcio: a deficiência torna os fios mais fracos e quebradiços.
b) Manganês: atua na cutícula do cabelo. A falta dele está associada à calvície.
c) Silício: confere brilho e vitalidade.
d) Zinco: essencial para o fortalecimento capilar.
e) Ferro: favorece o crescimento. Sua deficiência está associada ao aparecimento de cabelos brancos.

Linha do tempo
Até os 30 anos: Por causa da ação hormonal e da síntese proteica intensas, esse é o momento da vida em que os cabelos são mais volumosos e brilhantes.
A partir dos 40: Com a diminuição significativa dos hormônios, os fios começam a ficar frágeis e quebradiços.
Aos 50: O processo de fragilização se intensifica e aumenta a tendência de fratura capilar.
Aos 60: Os cabelos já estão rarefeitos, afinados e brancos.
Aos 80: A quantidade de fios de cabelo chega à metade da quantidade de fios existentes na infância.
*fonte: Daniele Murga, dermatologista

Confira também:

Guanidina e os mitos sobre relaxamento de cabelo

Galeria de fotos:

  • Eté 2011 | Jean Marc Maniatis
  • Helen Mirren

Deixe um comentário:



Buscar

Notícias

Newsletter

Assine e receba as novidades da revista em primeira mão.



Publicidade


Revista Cabeleireiros.com

Login Cadastre-se