Matéria da Revista Cabeleireiros.com - Edição 52

ImprimirDe carona no rockabilly

Avalie: 12345

tendencia_1950 (3)A maior participação das mulheres na sociedade abre espaço para um estilo que antes era restrito à ala masculina

texto: Rebeca Alcoba | fotos: Stevn Thomas

O estilo rockabilly surgiu no início dos anos 1950 com o rock’n’ roll e teve como representantes celebridades atemporais, como Johnny Cash, Jerry Lee Lewis e Elvis Presley. O novo ritmo conquistou adeptos e trouxe um jeito específico de vestir. Para eles, jaquetas de couro e calças jeans agarradas. Para elas, saias rodadas de cintura marcada tornaram-se obrigatórias.

Os penteados também seguiam uma linha típica. As garotas adoravam os rabos de cavalo e os topos altinhos, enquanto eles se dedicavam a estruturar topetes fantásticos à base de muita brilhantina. Por isso, o período também ficou conhecido como os “tempos da brilhantina”.

tendencia_1950 (4)Na moda hair atual, após o boom das pin-ups, que trouxeram à tona as franjas curtinhas, uma tendência que promete ser assunto é o topetão rockabilly para mulheres. Segundo o beauty artist Robson Hudson, como o cabelo diz muito sobre o estado de espírito da pessoa, o topete exerce um apelo de autoafirmação. “Essa tendência vem de um tempo em que a juventude buscava se posicionar em meio a uma sociedade cheia de preconceitos”. Não foi à toa que eles eram considerados transgressores.

Então, as mulheres estão aderindo ao rockabilly em busca de espaço, mesmo tantos anos após a revolução feminina? Não é esse o caso, tanto que a moda retorna com ar displicente. “Os topetes já não são impecáveis. Agora eles vêm soltos, rasgados com os dedos, beirando o volume natural. Mas continuam pretensiosamente altos” aponta Robson.

tendencia_1950 (2)O rockabilly dos anos 2000 tem mais a ver com diversidade e o desejo de se destacar. E a onda pegou entre as mulheres de personalidade forte. Vide a cantora francesa Janelle Monáe, que se apresentou recentemente no Rock in Rio. Robson revela qual é o segredo para fazer um topetão em cabelos crespos, como o dela. O ideal é trabalhar a frente (onde o volume ficará concentrado) usando modeladores quentes, seguido de produtos que tragam brilho e maleabilidade. “Nada de black power. A parte detrás tem de formar uma trança embutida inversa (de trás para frente), ou uma banana de cabeça para baixo”.

Não restam dúvidas de que um belo topete pede bons produtos de finalização. Segundo o hairstylist Paulo Schettini, do MG Hair Design, musse, spray e gel são fundamentais. Para diferenciar os efeitos, vale apostar também em ceras de acabamento mate durante o dia ou spray de brilho, se o look for noturno.

Ficou animada? Se quiser aderir a essa moda, não é necessário cortar as madeixas. Paulo explica que uma franja leve pode ser trabalhada em topete, conservando-se o comprimento solto. E não pense que este terreno é exclusivo das colorações monocromáticas. “Transparências leves, contrastando dois ou três tons com a cor de base, modernizam a proposta”, termina Robson.

Galeria de fotos:

  • Capture | Jam
  • Primavera-verão 2010 | Samuel Rocher
  • Eveolution | Claude Tarantino para L’Oréal Professionnel
  • Shape | Marcus King para Hooker & Young
  • Austere | Sanrizz

Deixe um comentário:



Buscar

Notícias

Newsletter

Assine e receba as novidades da revista em primeira mão.



Publicidade


Revista Cabeleireiros.com

Login Cadastre-se