Matéria da Revista Cabeleireiros.com - Edição 29

ImprimirEquipe: ferramenta principal do salão

Avalie: 12345

Osvaldo Alcantara (consultor de negócios)Dicas para contratar pessoas e mantê-las sempre motivadas

Osvaldo Alcântara (consultor de negócios)

Um estabelecimento de qualquer ramo de atividade precisa ter como meta principal formar uma boa equipe. Nela, as pessoas têm objetivos comuns e trabalham em prol do bem-estar coletivo. Para que essa meta seja atingida, o empreendedor deve ter clara a necessidade de estimular a equipe a conversar, a se tratar bem e a se considerar quase como uma família. 

Mas como fazer isso? É imprescindível ficar atento à rotina do salão, dividir os conhecimentos e mostrar o que é bom para a empresa. É muito bonito falar em equipe, mas poucos sabem montá-la com eficiência. 

Muitas vezes, o dono do salão é o principal responsável pela formação de uma má equipe. Para que isso não ocorra, é necessário adotar algumas posturas. Confira: 

- Cultive um bom relacionamento com os colegas de trabalho. É desagradável um cliente observar que um funcionário do salão está falando mal do outro. Ao ver essa cena, ele pode sair pensando: “Será que falarão mal de mim também?”. 

- Fique atento a posturas personalistas. Quando um funcionário trouxer um bom movimento para o salão, não feche os olhos para posturas inadequadas que ele possa ter. Fazendo isso, a equipe pode pensar que você o está protegendo e se influenciar pelo mau comportamento. 

- Converse com a equipe. Assim que detectar um problema de comportamento, chame a pessoa em questão e explique a necessidade do trabalho em conjunto. O funcionário precisa ter o espírito do proprietário da empresa: lutar por ela. 

- Saiba demitir. Quando jovem, aprendi uma história valiosa que afirmava: tenha sempre uma chave-de-fenda para apertar parafusos soltos. Caso precise fazer isso três vezes, o parafuso não presta ou estragou a superfície na qual está inserido. Se transportarmos essa filosofia para as pessoas, fica assim: se você já chamou a atenção de um funcionário mais de uma vez e não adiantou, tem algo de errado com você, com ele ou com o serviço que executa. 

- Se o proprietário for um profissional de beleza, é necessário que aprenda sobre leis trabalhistas, fornecedores e divisão de tarefas. Precisa colocar em prática seu perfil empreendedor. 

Treino e execução Mas como treinar bem uma equipe? Uma das ações fundamentais é fazer uma reunião com o staff a cada 20 dias. As primeiras podem ser ministradas pelo proprietário, para que todos saibam como será a organização de cada encontro. As posteriores devem ser conduzidas pelos funcionários, um de cada vez. Nesse momento, eles terão a oportunidade de falar o que perceberam em determinado período, de cativar os colegas, de dar sugestões e de compartilhar novas idéias. 

É importante deixar claro que o que acontecer na sala deve ficar por lá, sem ressentimentos futuros. No término, é preciso fazer uma ata. Então, no início da próxima reunião, o mesmo funcionário terá a oportunidade de compartilhar o que sentiu de diferente naquele período. 

Mas não basta que o proprietário apareça no salão a cada 20 dias. É importante que ele participe da rotina, deixando evidente a separação entre amizade e chefia. Dessa forma, ninguém irá levar para o lado pessoal se for repreendido. 

Outro fator importante é estimular a equipe a assistir desfiles e workshops. Se acreditar que o funcionário merece, o dono do salão pode também pagar cursos e viagens de especialização. Em todos os casos, deve ser estabelecida uma condição: assim que o curso terminar, o participante deverá passar as informações que aprendeu para toda a equipe. 

Nesses encontros, ninguém pode faltar. Não se esqueça de chamar recepcionistas, copeiras, manobristas e manicures. Reserve os dez minutos iniciais para falar do crescimento do salão e o que os funcionários representam nesse processo. 

No momento de montar uma equipe, o dono do salão precisa ter em mente que um ou outro membro pode desejar inaugurar o próprio estabelecimento. Nesse caso, ele deve estimular a idéia, para que nada seja feito às escondidas. Se não der certo, com certeza o funcionário irá desejar voltar, pois saberá que naquele local terá todo o suporte necessário. 

Quando fui ao Japão, percebi que todos os funcionários estavam na empresa 30 minutos antes do início da jornada de trabalho para serem motivados. Isso deveria ocorrer também no Brasil. O sentimento de equipe não é passar por um colega e dizer um “bom-dia”. É necessário que todos sintam que não estão sozinhos. Mesmo que o salão de beleza tenha a melhor estrutura possível, sem espírito de equipe, ele não existe.

Deixe um comentário:



Buscar

Notícias

Newsletter

Assine e receba as novidades da revista em primeira mão.



Publicidade


Revista Cabeleireiros.com

Login Cadastre-se