Matéria da Revista Cabeleireiros.com - Edição 23

ImprimirÉtica Profissional: o melhor negócio

Avalie: 12345

Para trabalhar em um salão de beleza não basta o profissional conhecer bem sua especialidade, é indispensável ser ético

Atualmente, a palavra “ética” tem se tornado uma palavra constante no cotidiano das pessoas, das empresas e das corporações pela sua constante exposição na mídia, fazendo com que toda a sociedade reflita sobre o tema. No dia-a-dia dos profissionais de beleza, a questão também tem sido discutida. Mas afinal de contas, o que é a ética a que todos se referem?

De acordo com o dicionário Melhoramentos é o campo da filosofia que estuda os valores morais da conduta humana, ou seja, a ética é o estudo geral do que é bom ou mau, correto ou incorreto, justo ou injusto, adequado ou inadequado.

Foram os gregos que definiram o significado da palavra ética. Associaram o conceito à idéia de moral e cidadania. O bom cidadão seria, de acordo com as idéias de Platão e Aristóteles, o ser humano ético por excelência. Foram influenciados pelo contexto no qual viviam, marcado pela ascensão e estruturação das polis gregas. Os povos das cidades-estado precisavam ser prestativos e leais entre si para evitar que estrangeiros e escravos desestabilizassem a ordem ali reinante. Apesar de terem estabelecido princípios tão nobres, mantinham-se a partir de um sistema de trabalho escravista.

O salão de beleza é o lugar onde passamos a maior parte de nosso tempo, por isso se faz necessária uma relação harmônica e adequada, a fim de que as pessoas possam encontrar a realização de suas satisfações pessoais.

Algumas perguntas podem guiar nossa reflexão sobre o que seria a ética profissional: estou sendo bom profissional? Estou agindo adequadamente? Realizo corretamente minha atividade? Como me relaciono os meus colegas?

Existe uma série de atitudes que não estão descritas nos códigos das profissões, mas que são comuns a todas as atividades como, por exemplo, as atitudes de generosidade e cooperação no trabalho em equipe, mesmo quando exercida solitariamente. Este é um típico exemplo de postura pró-ativa, onde o profissional não se restringe somente às tarefas de sua obrigação e contribui para o engrandecimento do trabalho.

Mas por que a ética é uma prática tão complicada de se adotar? creio que, quando alguém faz uma escolha antiética, age desta forma por uma destas razões:

Conveniência: diante de situações em que não é possível identificar um ganho imediato, muita gente escolhe fazer aquilo que parece certo naquele momento, que muda de acordo com a conveniência da situação.

Nunca jogam para perder: acredito que a maioria das pessoas seja como eu, detesto perder! Dentro de um salão de beleza, profissionais querem vencer conquistando coisas e alcançando o sucesso. Mas muitos acham que precisam optar entre ser ético e ser vencedor. Muita gente acredita que adotar uma postura ética pode limitar suas alternativas, suas oportunidades e a própria capacidade de ser bem-sucedido no mercado profissional.

Para finalizar é imprescindível estar sempre bem informado, acompanhando não apenas as mudanças nos conhecimentos técnicos da sua área profissional, mas também nos aspectos legais e normativos. Vá e busque o conhecimento.

Competência técnica, aprimoramento constante, respeito às pessoas, tolerância, flexibilidade, fidelidade e muito amor. É essa a chave do sucesso e da ética nos dias atuais.

Estou aberto a críticas e, principalmente, a sugestões construtivas.

Preciso ter, mais uma vez, certeza de que estou escrevendo aquilo que o cabeleireiro ou proprietário do salão quer realmente ler. Escreva, critique, dê palpites!

Deus Abençoe, até a próxima edição.

Deixe um comentário:



Buscar

Notícias

Newsletter

Assine e receba as novidades da revista em primeira mão.



Publicidade


Revista Cabeleireiros.com

Login Cadastre-se