Matéria da Revista Cabeleireiros.com - Edição 45

ImprimirMancha nas unhas? Estado de alerta

Avalie: 12345

problemas_nas_unhas (6)Pequenos sinais podem mostrar grandes problemas nas pontas dos dedos

texto: Deise Lima | fotos: divulgação

Você já ouviu dizer que uma manchinha branca nas unhas é sinônimo de sorte, e que quando ela chega à ponta dos dedos, uma surpresa será revelada? A surpresa pode ocorrer, como também pode ser desagradável. Manchas nas unhas são sinais de que algo no organismo não vai bem. Embora a maioria das pessoas fique mais atenta ao aparecimento de micoses, as marquinhas podem ser indicação de problemas gravíssimos, como falta de nutrientes, estresse, cirrose hepática, insuficiência renal e até doenças do coração.

Hoje, muitos profissionais nos salões de beleza estão bem informados sobre o assunto. Porém, eles não devem fazer o diagnóstico. Após identificar as manchas, devem orientar o cliente a procurar especialistas. Durante a consulta médica, mostrar as mãos parece um ato simples, mas pode ser revelador. Dessa maneira, o especialista consegue identificar problemas caracterizados em forma de manchas diferentes, ondulações e descamações.

Problemas mais comuns
De acordo com Letícia Balbino, responsável pelo desenvolvimento científico do Balbpharm Institute, a Síndrome das Unhas Frágeis (SUF), caracterizada por aumento da fragilidade das lâminas ungueais (as unhas em si), é uma das queixas mais comuns. Essa síndrome pode ter origem tanto vascular (o sangue não entrega os nutrientes na concentração necessária a formação de unhas saudáveis) quanto física ou traumática, como pressão constante ou esbarrões. “Afeta quase 50% da população,
e estima-se que atinja até 80% das mulheres adultas”, explica.

Para o tratamento da SUF, Letícia indica cosméticos à base de extrato de porcelana efervescente. “Esse ativo faz os nutrientes não entregues naturalmente pela circulação sanguínea serem fixados quimicamente sobre as unhas.” Além do tratamento, a prevenção é importante, pois alguns traumas na matriz (leito de pele sensível onde a unha fica ancorada) podem representar problemas de deformação e fraqueza em longo prazo. Por isso, nada de usar as garras como “ferramentas” para abrir latas, fechar zíperes ou vestir aquele jeans apertado.

problemas_nas_unhas (7)Em segundo lugar, aparecem as onicomicoses (micoses), infecções que atingem as unhas e seus anexos (pele e cutículas) e são causadas por fungos presentes no solo, no pelo de animais e em ambientes úmidos. “Na prática, as micoses se disseminam por meio de lixas de unhas e outros utensílios de manicure compartilhados, e se caracterizam por alteração de cor e textura na lâmina ungueal”, afirma.

Outro problema é o aparecimento de manchas em pontos isolados ou de forma difusa. Elas podem ter causas diversas: pequenas e brancas costumam ser causadas por deficiências nutricionais de zinco (encontrado em carnes de boi, frango ou peixe, feijões, ervilhas e grãos integrais); e as amareladas podem estar saturadas de resíduos de esmaltes escuros, bronzeadores ou nicotina do cigarro. Se persistirem, podem ser sinal de diabetes.

O dermatologista e tricologista Adriano Almeida, diretor do Instituto de Dermatologia e Estética e da Sociedade Brasileira do Cabelo, acrescenta outros problemas:

calosidade;
onicocriptose: unhas encravadas;
onicogrifose: unhas com espessura exagerada, comumente acometidas por micose;
paroníquea: inflamação da cutícula;
unha hipocrática: que possui convexidade exagerada;
verrugas virais;
xerodermia: ressecamento excessivo da pele.

problemas_nas_unhas (1)Como tratar
A matriz é o ponto inicial das unhas, e qualquer problema nela pode causar danos irreparáveis. “Se houver um trauma ou uma agressão a ponto de arrancar ou lesionar a matriz, a unha pode ficar com defeito ou até não nascer mais”, garante Adriano.

A delaminação (onicólise) é comum em pessoas com deficiência de cobre e zinco. As ondulações (sulcos) podem ser longitudinais (fisiológicas, não trazem nenhum dano à unha) e transversais (resultantes da interrupção temporária da matriz ungueal por enfermidade ou uso de medicamentos).
Agora, quando o assunto é micose, um dermatologista deve ser consultado. “Há mais de 2 mil tipos de fungos causadores de micose, e só um exame detalhado pode definir o tratamento adequado. No salão de beleza, a ordem é a prevenção com procedimentos cosméticos individuais à base de óleo de Tea Tree (antifúngico natural), esterilização dos utensílios de uso comum e  descarte sistemático
de lixas de unhas e palitos de madeira”, orienta Letícia.

problemas_nas_unhas (2)Ana Flávia, proprietária do salão de beleza Love My Nails, explica que as manicures do seu salão de beleza utilizam o Tea Tree e que ele também é conhecido como “Melaleuca”. “Quando nossas manicures observam que a unha da cliente está fraca, elas indicam uma base fortalecedora. No caso de micose, utilizamos o Tea Tree, que pode ser aplicado também na água de imersão, para que não contamine as demais unhas. Já para as clientes alérgicas usamos os esmaltes hipoalergênicos; e para pés ressecados, o óleo de capaíba”, diz a empresária.

Para os profissionais da beleza, a regra é estar bem informado sobre os problemas nas unhas e indicar
um especialista ao sinal deles.  “Cursos ajudam a manicure a aumentar seus ganhos e a se livrar das ‘saias-justas’. As regras de ouro são a simpatia e o cuidado com as palavras, pois uma abordagem descuidada pode ofender um cliente. Saber identificar a origem do problema é fundamental, já que uma unha desidratada pode ser confundida com micose por um olhar menos treinado”, orienta Letícia.

problemas_nas_unhas (3)A porcelanista Márcia Persike, do salão Lady&Lord Shopping Curitiba, sabe bem da importância da gentileza, mas não abre mão da sinceridade. “No caso de micose, peço a consulta urgente a um dermatologista. Para unhas fracas ou que estão descamando, indico um paliativo, como unhas de porcelana, e a visita a uma nutricionista”, diz.

Adriano Almeida diz que, depois de identificar o problema na unha e orientar a ida ao médico, a manicure pode realizar seu trabalho normalmente, desde que os dedos não estejam em estado de vermelhidão ou ulceração. “A dor é um excelente termômetro para não realizar qualquer procedimento nas unhas. Cuidado com pacientes diabéticos e com doenças vasculares, assim como tabagistas. E para a sua segurança, além das luvas, se faz a necessária prevenção por meio de vacinas, como a de tétano e de hepatite B, disponibilizadas pelo SUS”, alerta.

Também é uma preocupação dos fabricantes a saúde das unhas nos salões de beleza. “Como novidades para as manicures, oferecemos o motor de lixamento e a lixa elétrica”, comenta Gabriela Rocha, sócia-diretora da Cosmix Pro Nails.

problemas_nas_unhas (4)Já a Medicatriz Dermocosméticos desenvolveu o Ônico Plus, solução para o tratamento de unhas fracas, com problemas de crescimento e micoses, à base de óleos essenciais extraídos das flores de tomilho, cravo e melaleuca. Segundo a empresa, o produto promove fortalecimento, hidratação, cicatrização e nutrição da unha com problema.  “Pesquisadores já comprovaram que os óleos essenciais possuem propriedades curativas. Para se ter uma ideia do alto teor de substâncias ativas neles, a retirada de algumas gotas demanda quilos de folhas de uma mesma planta”, diz Sheila Gonçalves, cosmetóloga e diretora técnica da empresa.

problemas_nas_unhas (5)A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) controla as formulações para que sejam seguras. Mas vale também saber como usar cada produto. “Não se devem aplicar cosméticos sobre a pele irritada ou lesionada. Além disso, vale verificar a regulamentação e o prazo de validade. Evitar limpar as sobras de esmalte sobre a pele e respeitar o uso de luvas e máscaras de proteção evitam a intoxicação crônica e alergias adquiridas pelo uso repetitivo de substâncias químicas”, finaliza Letícia Balbino.

Fique atento às mudanças na coloração, na forma e na textura das unhas

Manchas esbranquiçadas
Manchas amarelas
Manchas arroxeadas
Manchas esverdeadas
Unhas fracas, secas, quebradiças e com tendência à descamação
Faixas negras
Ondulações
Manchas brancas e avermelhadas
Mancha amarelada e espessa

Confira essa matéria na íntegra na versão impressa da Cabeleireiros.com. Para assinar ou adquirir números anteriores, clique aqui.

Deixe um comentário:



Buscar

Notícias

Newsletter

Assine e receba as novidades da revista em primeira mão.



Publicidade


Revista Cabeleireiros.com

Login Cadastre-se