Matéria da Revista Cabeleireiros.com - Edição 31

ImprimirOs primeiros talvez sejam os últimos

Avalie: 12345

Estar no mercado há muito tempo pode não ser uma vantagem se você não acompanhar a evolução


Vagner Torres (palestrante especialista em comunicação e marketing de serviços)Vagner Torres
(palestrante especialista em comunicação e marketing de serviços)

O mercado de beleza tem atraído cada vez mais investidores. Fico impressionado toda vez que ministro um curso. Pois, de cada trinta participantes, em média quinze são investidores estudando a viabilidade do negócio. E são pessoas de diferentes ramos: há administradores, publicitários, advogados, psicólogos, músicos, designers, dentistas...

Você pode estar pensando: “Elas não se deram bem em suas áreas, querem se encontrar e acham que o mercado de beleza é fácil”. Pode ser que isso não esteja errado, mas tenho encontrado pessoas que estão “se achando” no mercado de beleza e estão demonstrando que, apesar de não terem desenvolvido a capacidade de executar tecnicamente os serviços, possuem talento para lidar com o público e “tocar” o negócio com maestria.

Mas o ponto que quero levantar é: quem está nesse mercado precisa ver que a forma de gerir o negócio está mudando radicalmente. E a diferença se estabelece logo de início. Pense aí, com seus pentes: dos profissionais de beleza que você conhece (inclusive você), quem participou de um curso de gestão, fez um plano de negócio ou um estudo de viabilidade do ponto “antes” de abrir o estabelecimento?

Isso demonstra uma mudança de mentalidade que tem reflexos na forma de como as empresas irão definir itens fundamentais como preços e formas de comissionamento. A desvantagem que essas pessoas têm por conhecer pouco o mercado (por enquanto) está sendo compensada pela vantagem de tornarem, rapidamente, o negócio mais lucrativo, enquanto alguns salões estão com dificuldade e precisam rever sua estratégia.

Normalmente, quando sou chamado para fazer um diagnóstico sobre as causas dos problemas de um salão, vejo que elas são muito parecidas. Financeiramente, a campeã é a forma como o salão definiu os preços dos serviços. Alguns chegam a dar prejuízo. Isso acontece porque tendemos a copiar tudo, até os preços dos concorrentes.
Raramente obtenho uma resposta plausível quando peço para um profissional da área que administra o
negócio me explicar qual o critério utilizado para definir os preços. Pense nisso: qual foi o critério utilizado no seu salão para adotar os preços praticados? Infelizmente, tenho más notícias se a resposta for que os preços são os mesmos que a maioria cobra.

Mesmo que tenha que ser assim, isso não isenta sua responsabilidade de entender qual é a margem de lucro de cada serviço. Outro detalhe: se a maioria está errada, você também vai se dar mal. Esse fator está complicando algumas empresas pelo surgimento de novos encargos, como pagamento com cartões de débito e de crédito. Hoje, 70% dos pagamentos dos serviços são feitos por esses meios, e isso tem consumido boa parte da margem, porque na maioria das vezes são custos que não foram contabilizados no momento de formar os preços.

Outra vantagem que alguns novos empreendedores estão obtendo é a forma como estabelecem processos
e normas de conduta, ou seja, o modelo de negócio que estão construindo baseia-se numa cultura diferente. E aí vem a parte engraçada: o funcionário que era um entrave num salão chega em outro e adota um comportamento mais profissional. Isso porque pensa mais ou menos assim: “Aqui é bem melhor, tem conceito e regras. Onde trabalhava era uma bagunça, todo mundo fazia o que queria. É horrível trabalhar num lugar que não tem organização”.

Muitas vezes, o “pecado” é a empresa não ter regras ou disciplina, pois a maioria das pessoas precisa de direção e orientação. Algumas vezes, isso não ocorre pelo fato do dono não gostar de regras. Talvez ele não precise delas, mas isso não significa que outros consigam evoluir da mesma forma. As regras de uma empresa precisam ser acatadas até mesmo pelo dono, porque o negócio deve ser montado para atender as necessidades dos clientes, e não as nossas.

Além disso, os novos empreendedores estão quebrando paradigmas porque questionam as práticas adotadas e mesclam a forma de administrar com métodos trazidos do mercado no qual atuavam. Isso demonstra porque a forma de administrar um salão está mudando e irá mudar ainda mais nos próximos anos: estamos num
momento de transição e adaptação.

Estar no mercado há muito tempo pode ser um risco, porque o sucesso de hoje não garante o de amanhã, e o paradoxo é justamente este: o sucesso que temos hoje pode ser o maior obstáculo do de amanhã. E a questão é: como você vai se preparar para esse novo mercado?

Deixe um comentário:



Buscar

Notícias

Newsletter

Assine e receba as novidades da revista em primeira mão.



Publicidade


Revista Cabeleireiros.com

Login Cadastre-se