Matéria da Revista Cabeleireiros.com - Edição 25

ImprimirSalões Infantis - Cortes e travessuras

Avalie: 12345

Decoração alegre, cadeiras adornadas com personagens de desenhos animados, videogames e muitos doces compõem o visual lúdico de um salão especializado em um público especial: o infantil. Para agradar os baixinhos, não basta ter psicologia: é preciso utilizar técnicas e produtos específicos.

O dia-a-dia de quem trabalha em um salão dedicado aos pequenos clientes começa agitado, com crianças correndo pelo local, colorindo desenhos e brincando. Wanessa Kids, cabeleireira e responsável pelo Studio W, localizado no espaço Piks do Shopping Iguatemi, possui muita técnica e paciência para atender este público. “É preciso gostar e ter dedicação para trabalhar com crianças”, ressalta, confessando que não é fácil lidar com elas mesmo com três anos de experiência na área.

Nestes espaços, as garotinhas podem pintar as unhas com esmaltes específicos, antialérgicos e que saem com água e sabão; brincar com mini-escovas coloridas e produzir penteados e trancinhas com a ajuda dos monitores. “Fazemos todos os serviços normais de um salão, menos o corte, que é realizado no próprio Studio W”, afirma Wanessa.

Os sócios do espaço Piks Flávia Kujawski, Geraldo Pernet e Verônica Wright apostaram em um conceito inovador em diversão para crianças. “Contratamos o arquiteto Toninho Noronha para desenvolver o que tínhamos visto nos Estados Unidos, que era algo diferente para atrair a atenção das crianças e deixar os pais passearem tranqüilos no shopping enquanto elas se divertem”, afirma Flávia.

Outro estabelecimento com o mesmo foco é o salão Funny Hair, localizado em Moema, São Paulo. O local, que tem 150 m² distribuídos em dois andares, possui áreas de cortes radicais para meninos, camarins para meninas e um espaço para o atendimento dos pais. “Com a globalização, as crianças estão mais criteriosas e as bonecas ficaram de lado. As festinhas de aniversário são feitas no próprio salão, onde os profissionais fazem pinturas artísticas no rosto e as convidadas se maquiam, escolhem o tom das unhas e os penteados. Tudo isso acontece com muitos quitutes e atividades recreativas”, explica Flávio Cavalotti.

O salão conta com 11 funcionários devidamente instruídos. São cabeleireiros, manicures e monitores que ajudam os profissionais a distrair as crianças com livros e brincadeiras, para que o trabalho seja concluído.

Outro diferencial é o certificado do primeiro corte. As mamães levam os bebês para cortar as madeixas e ganham de lembrança a foto e o pedacinho do cabelo que foi cortado pela primeira vez. “Escolhi o Funny Hair pelos cuidados que os profissionais têm com as crianças. O serviço é diferenciado, existe uma didática e o bebê fica confortável, brincando, enquanto o profissional corta o cabelinho. Um barato!”, conta, satisfeita, Rosana Martelli, mãe do pequeno João, de dois anos.

Segundo os proprietários do Funny Hair, Adriana Petinis e Fábio Cavalotti, diferenciais como estes garantem o sucesso e a fidelidade de uma clientela tão criteriosa. “Há um ano pesquisamos como montar algo para crianças. Sou formada em pedagogia e surgiu a idéia de criar um lugar descontraído. Desde então, só temos crescido”, afirma Adriana.

Fábio Cavalotti enfatiza que o mercado beauty para crianças ainda é deficitário em relação aos produtos especializados, pois as poucas marcas que existem são caras. “A indústria cosmética ainda tem muito o que crescer”, complementa.

Deixe um comentário:



Buscar

Notícias

Newsletter

Assine e receba as novidades da revista em primeira mão.



Publicidade


Revista Cabeleireiros.com

Login Cadastre-se