Matéria da Revista Cabeleireiros.com - Edição 51

ImprimirSubida em espiral

Avalie: 12345

trajetoria_de_sucesso (4)Das agulhas de costura para as escovas e os pincéis, Wilson Eliodório mudou o rumo da carreira na hora certa e alcançou o título de expert em cachos

texto: Rebeca Alcoba | fotos: divulgação

Capricorniano e bom de papo, o beauty artist Wilson Eliodório trocou a brisa do mar de Santos pela correria da capital paulistana e encontrou no cruzamento de duas das maiores avenidas da cidade (a Faria Lima e a Rebouças) o seu recanto da beleza.

Só de entrar no WE Studio é possível perceber algumas características do proprietário. O salão, que também é casa, tem um sofá vermelho entre a porta de entrada e o jardim dos fundos. Um verdadeiro divã para as clientes dizerem suas vontades e serem atendidas - ou não. Isso mesmo: Wilson não se dobra incondicionalmente aos desejos da clientela. Ao contrário: expõe a sua tática de trabalho e se a pessoa estiver disposta... “Não saio atendendo todo mundo, só as pessoas com as quais tenho afinidade”.

Para ele, cada cliente é único; e, se está buscando uma transformação, precisa estar aberto a ela. É comum ver mulheres arrependidas com algum procedimento realizado tremerem ao ouvirem o veredicto: um bom corte nos fios é o primeiro passo para voltar a ter o cabelo saudável. Colocar a mão na cabeça de alguém é íntimo e um assunto levado a sério. Por isso, ele gosta de conversar e desenvolver essa proximidade. “Não sou comercial. Poderia estar mais rico, porém é algo que não me abastece”.

trajetoria_de_sucesso (2)Quem confia não se arrepende; e, apesar dele não querer falar das famosas que já atendeu (e atende), basta saber que muitas cacheadas já passaram por suas tesouras. A resposta para tanta discrição é simples: “Quando a pessoa entra aqui, ela deixa de ser famosa. A relação que existe independe da popularidade”.

Essa maneira decidida foi a motivação para sua mudança de carreira. Wilson formou-se na primeira turma de moda da Faap e chegou a trabalhar em confecção. Foi assim que começou a história com a beleza. “Decidiram fazer um catálogo e chamaram um cabeleireiro para a produção. Achei o resultado muito ruim e resolvi fazer eu mesmo. No segundo trabalho, nem chegaram a contratar outra pessoa”. Durante esse percurso, ele percebeu que não seria o estilista que pretendia, e que a beleza lhe daria a realização desejada.

Os caracóis dessa história

A inclinação para cabelos crespos e cacheados foi um caminho natural, já que na adolescência Wilson precisou aprender a lidar com os próprios fios. “As madeixas afro-brasileiras não são surpresa para mim”. A surpresa mesmo está em constatar a evolução dos produtos para esse tipo de cabelo. Ele lembra a época em que não havia no Brasil produtos específicos para os crespos e os cacheados. “O primeiro leave-in que comprei aqui, em meados de 1997, foi o umidificador de cachos Sphere, da Nazca”.

trajetoria_de_sucesso (3)A falta de recursos do passado ajudou-o a desenvolver a prática, que, aliada à tecnologia, lhe abriu um mundo de possibilidades. A história de Wilson anda em paralelo com essa evolução. Com Robin Garcia (outro grande nome da moda hair no Brasil), ele participou do lançamento da linha Seda Hidraloe, uma referência em cachos. Além disso, era figurinha carimbada na revista Raça Brasil. “A Raça estava começando e eu também. Cheguei a ganhar dois prêmios da revista”.

Ele é a favor da naturalidade e acredita que as escovas progressivas são válidas porque existem texturas que precisam ser adaptadas. “Alguns fios de cabelo precisam ser remodelados para ficarem bonitos. Estou descobrindo que tipos de produtos são aliados da minha tendência à naturalidade. Minha ideia não é modificar a textura do fio, e sim melhorar o que a pessoa já tem, como se lapidasse um diamante”, explica.

Dentro dessa concepção, Wilson conta qual foi seu maior desafio profissional: “Sem sombra de dúvidas, fazer que Taís Araújo parasse de alisar os fios”. Ele conta que a atriz alisava as madeixas desde os 11 anos e não sabia mais como era seu cabelo natural. Depois de muita conversa e de uma personagem alisadérrima (a Ellen, da novela Cobras & lagartos), ela finalmente decidiu. “Ligou para mim em um domingo de manhã e falou que estava fazendo a ponte aérea para mudar o cabelo”.

trajetoria_de_sucesso (1)Outra experiência marcante foi a caracterização para o filme nacional Muito gelo e dois dedos d’água, produzido em 2006 pela Globo Filmes. A missão foi transformar a atriz Mariana Ximenes de “princesa dos cachos dourados” à rebelde autodestrutiva. “Foi um tal de descolore o cabelo, coloca uma raiz escura, limpa o rosto... Limpamos tanto, que chegamos a descolorir as sobrancelhas dela, e ainda não estava bom o bastante. Então, decidi colocar uma cicatriz”. As megatransformações são a grande paixão de Wilson Eliodório, seja em cabelo, seja em maquiagem.

Se ele pretende compartilhar esse conhecimento? Isso ainda não foi possível, mas existem planos de ministrar cursos de automaquiagem no WE Studio. “Vontade eu tenho, mas ainda não consegui elaborar os cursos de maneira que funcionem. Amo fazer produção e trabalhos publicitários. Isso é latente no meu dia a dia, não consigo levar uma vida simétrica”.

Confira também:

Penteado passo a passo: Estilo Clássico

Guanidina estraga o cabelo?

Deixe um comentário:



Buscar

Notícias

Newsletter

Assine e receba as novidades da revista em primeira mão.



Publicidade


Revista Cabeleireiros.com

Login Cadastre-se